miércoles, 6 de agosto de 2014

A tradição indigéna da “vacina do sapo”


Durante uma das minhas explorações na Amazonia, no ano de 2008, quando cheguei a um enigmático petróglifo na selva do Rio Tambo, os indígenas ashaninka falara-me de uma particular cerimônia útil para expulsar o espirito negativo que as vezes mora no corpo de uma pessoa.
Se produzem pequenas feridas nos braços o pernas do sujeito para curar e se aplica secreções de uma rã (phyllomedura bicolor, chamada também Kambo, o “sapo”)
No geral quem se submete a este ritual sente depois mais resistência ao cansaço, bom humor e maior capacidade de concentração.
Esta cerimônia não é exclusiva dos indígenas ashaninka, mas e típico de muitos povos da Amazonia, por exemplo os matsés, marubos, culinas e kanamaris.
Para muitos destes povos autóctones, as substâncias contidas na rã uma vez inoculadas no corpo do indivíduo, dão "boa sorte" tanto na prática da caça como da pesca, combatem a negatividade (chamada panema na lengua tupi), devolvendo-lhes calma e com ela otimismo e serenidade.
As secreções da rã phyllomedusa bicolor que são usadas tambem como vacina contra as mordidas de serpentes.
Para algumas etnias, por exemplo os Kaxinawas, a phyllomedusa bicolor é considerada o "guia espiritual" da preparação da Banisteriopsis caapi, a planta que está a base da ayahuasca.
Os ashaninka do Rio Tambo fazem um ritual especial. Se uma rã phyllomedusa bicolor croa por perto da casa, deve ser capturada, e no dia seguinte realiza-se a cerimônia aplicando as seacreções da rã em pequenas feridas nos pulsos da pessoa que a capturou.
Entre as substâncias da rã phyllomedusa bicolor tem vários peptídos, ou seja moléculas formadas pela união de vários aminoácidos.
No geral está a "deltorfina” , que serve no tratamento das isquemías cerebrais.
Na opinião de vários investigadores, como Michael F. Schmidlehner, as substâncias contidas no interior do corpo de esta rã resultam eficazes no tratamento do câncer, sida, doença de pârkinson e depressão.
Outro peptido presente na rã é o " phyllomedusin", que atua no intestino humano limpando-o e desinfectando-o.
Pelo tanto o "phyllokinin" e um potente vaso-dilatador.
Outros dois são o "caerulein" e o "sauvagine" que diminui a pressão arterial e aumenta a resistência física.
A partir do ano de 1980 se desenvolveram ao redor de vinte patentes internacionais que deveriam explorar as propriedades medicinais da rã phyllomedusa bicolor:

Univ.Kentucky Res Found (USA): Protection against ischemia and reperfusion injury (2003) Method for treating ischemia (1999)
Method for treating cytokine mediated hepatic injury (1999); Univ.Kentuchy Res. Found ZymoGenetics (USA): Method for treating cytokine mediated hepatic injury 92002 ); IAF BIOCHEM INT (CA); Dermorphin analogs, their methods of preparation, pharmoceutical
compositions, and methods of therapeutic treatment using the same (1990).

Como podemos notar as qualidades contidas dentro desta rã são notáveis e importantes.
Como sempre, tambem neste caso quem se tem aproveitado da aquisição das patentes internacionais tem sido empresas o universidades estrangeiras que provavelmente venderam o resultado dos seus estudos a empresas multinacionais.
Estamos somente no começo dos estudos que um dia nos levaram a entender as verdadeiras substâncias contidas dentro do corpo desta rã phyllomedusa bicolor, mas provavelmente estas propriedades serão uma vez mais utilizadas por empresas que comummente não são sud-americanas, com a finalidade de lucro e não com objetivo de beneficiar a humanidade.

YURI LEVERATTO
Copyright 2014

Tradução: Anna Baraldi Holst, Itapema, Sta Catarina, Brasil

No hay comentarios:

Publicar un comentario